Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal
Dizem que as mulheres são como vinho porque melhoram com a idade. Bom, os heróis também ficam melhores com o tempo e prova disso é com Harrison Ford aos seus 65 anos de idade! Se achar que o grande aventureiro norte-americano já tinha feito e enfrentado de tudo, engana-se. Ele está de volta neste quarto episódio para os fãs e a trama se passa em 1957 com a Guerra Fria. A ameaça agora são os soviéticos e toda aquela efervescência da década de 50 sobre o comunismo, além de salvaguardar o estilo de vida americano, e quem melhor do que Ford para fazê-lo? Para mais esta missão, ele é ajudado pelo companheiro Mac (Ray Winstone).

O dr. Henry Jones Jr. (opa quanto formalismo, devo dizer Indiana Jones!!!) logo perde seu posto de professor de arqueologia por suas supostas ações comunistas e quando está a partir para a Inglaterra para dar aulas, conhece Mutt (Shia LaBeouf) que pede a ajuda do destemido saqueador de tumbas para uma missão pessoal que é de encontrar a Marry Williams (Karen Allen) e o professor chamado Oxley (John Hurt), que foi estudante e colega de classe do herói da fita. Na proposta feita pelo jovem rapaz, Indy dá se conta de que pode encontrar um dos maiores artefatos arqueológicos já existentes, a Caveira de Cristal de Akator e recuperar contato com o amigo de turma que há muito não vira. Para a surpresa do velho guerreiro, a mãe do jovem rebelde é na verdade Marion Ravenwood, a sua companheira no primeiro filme, Os Caçadores da Arca Perdida.

Do lado oposto aos bons mocinhos está a paranormal Irina Spalko (Cate Blanchett) que comanda com unhas e dentes um cruel grupo de soldados fazendo de tudo para ter em mãos a caveira de cristal, pois supostamente trará poderes ilimitados a quem devolver o artefato ao lugar de origem. Para Irina, em tempos como aqueles em que vivem é crucial saber cada passo que o inimigo dá (América) para só assim dominar o mundo. O típico plano de vilões! Mas não se enganem, o filme é um colírio, apesar dos absurdos, falhas e perdas (como a ausência de Sean Connery que se recusou a revisitar o papel do pai do herói).

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal é simplesmente fascinante e você se dará conta disso realmente ao final com seu incrível visual e fotografia de desertos, o gigantesco galpão na Área 51, as silhuetas dos corpos (principalmente a de Harrison Ford que é facilmente identificado) e florestas no Amazonas e Peru.
Acredite... Está tudo lá... Mistério, conspirações, cavernas e tumbas empoeiradas, teias de aranha, passagens secretas, tiros, lutas, além da música inconfundível, as roupas surradas, a jaqueta de couro, o chapéu, chicote e a clássica frase “Não toque me nada!”. E fiquem atentos, pois quem sabe possamos ver um novo filme e talvez até mesmo uma franquia comanda por Shia Labeouf, o filho do herói. E se desejar ser um arqueólogo siga o conselho do senhor doutor Jones, “Se quiser ser um bom arqueólogo, tem que sair da biblioteca”.


Os antigos ícones de infância ressurgem como Superman, Rambo, James Bond e John Mclaine. Nada mais justo que Steven Spielberg na direção e uma ajudinha de George Lucas para trazer de volta um dos seus maiores sucessos, não? O que parecia impossível há anos, hoje é realidade.
1 Response
  1. André Says:

    Esse quero ver!!!!